Industrialização, conflitos regionais e burguesia compradora periférica no Brasil (1930-1964)

Francisco Pereira de Farias

Resumo


Responde como se dá a relação centro-periferia no Brasil do período de industrialização (1930-64), dos pontos de vista econômico e político. No plano econômico, apresenta quatro fontes de conflitos regionais. A primeira delas é a contraposição entre o capital industrial dominante no centro econômico e o capital comercial preponderante na periferia nacional; a segunda, a oposição da indústria do centro econômico nacional e a da periferia; a terceira, o seccionamento regional no interior do capital mercantil; e a quarta, a tensão entre o bloco mercantil-industrial da região polo e o das áreas periféricas. Na perspectiva da hegemonia política, afirma que, apesar do imperialismo econômico (por via de mercado), não há, nas relações das burguesias do centro e da periferia, uma situação de imperialismo político (por via de políticas do Estado). Finalmente, analisa a burguesia compradora no Nordeste, destacando os estados de Pernambuco e Piauí, com a intenção de afastar um padrão analítico tradicional que superestima o peso da propriedade fundiária na formação social dessa região brasileira. A metodologia empregada consiste basicamente na consulta a trabalhos monográficos sobre a economia e a política no Brasil e Nordeste no referido período.

Palavras-chave


Burguesias no Espaço Regional. Centro-Periferia no Brasil. Burguesia Compradora Periférica.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Flag Counter