Desertificação e pobreza: existe um equilíbrio de baixo nível?

Flávia Telis de Vilela Araújo, Ana Bárbara de Araújo Nunes, Francisco de Assis de Souza Filho

Resumo


Este trabalho abordou as relações entre desertificação e pobreza no Semiárido brasileiro. A metodologia de análise utilizou dados socioeconômicos e de produtividade das culturas de milho e feijão para o Ceará. Foi realizada uma abordagem comparativa entre municípios considerados de maior susceptibilidade à desertificação em relação aos municípios menos susceptíveis. Os resultados mostraram o impacto negativo da desertificação na produção e produtividade das lavouras nos municípios mais suscetíveis ao fenômeno, assim como sugerem influência sobre o menor crescimento do PIB. A queda da produção e da produtividade é resultado das condições naturais, assim como da utilização de técnicas agrícolas que contribuem significativamente para o processo de desertificação, como o desmatamento e as queimadas, e que tendem ao aumento dos níveis de pobreza. Os resultados indicaram, ainda, a existência de equilíbrio entre as variáveis estudadas, podendo ser considerado de baixo nível, sendo necessárias políticas públicas eficientes que incluam variáveis econômicas, técnicas e sociais, como observado no Programa de Desenvolvimento Hidroambiental – PRODHAM do Ceará, para romper tal condição de equilíbrio, e promover o aumento dos níveis de renda e da qualidade ambiental.

Palavras-chave


Desertificação; pobreza; agricultura.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Flag Counter