Análise de um índice Fuzzy de aceitação potencial da política de ações afirmativas do Brasil (2017)

Priscila Soares dos Santos, Sibele Vasconcelos de Oliveira, Lázaro Cézar Dias

Resumo


A despeito das primeiras experiências em ações afirmativas raciais (AAR) no Brasil completarem mais de dez anos de existência, seus alcances continuam alvo de contestação social. À luz da teoria institucional e do pilar cognitivo das instituições, o presente estudo dedica-se a analisar o potencial de aceitação da política de AAR no Brasil. Através da operacionalização de sistemas de inferência fuzzy, foi estimado um índice, composto por indicadores que fazem menção aos principais argumentos em crítica à política de cotas: ao perfil de renda dos estudantes ingressantes via ações afirmativas raciais, ao tempo de duração da graduação desses estudantes e ao desempenho dos mesmos no Enade. Foram utilizados microdados do Enade de 2017, com 5.123 observações válidas para estudantes cotistas e 257.928 para estudantes não-cotistas. Os resultados evidenciaram alto potencial de aceitação da política no país, cujo IAPPAF foi de 70,83. Mesmo com o IAPPAF alto, esforços setoriais devem ser realizados, de forma a contribuir para a legitimação da política enquanto componente da rede de proteção social no país.


Palavras-chave


Desigualdades sociais. Política de cotas. Conjuntos nebulosos.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Flag Counter